O único propósito verdadeiro de uma meta é inspirar-nos  a apaixonarmo-nos mais profundamente pela vida”

O único propósito verdadeiro de uma meta é inspirar-nos  a apaixonarmo-nos mais profundamente pela vida”

 

“O grande perigo para a maioria de nós não é apontar demasiado para cima e falhar mas apontar demasiado para baixo e acertar”

Miguel Ângelo

 

Uma vez perguntei a um dos meus clientes mais bem sucedidos financeiramente “Um supervendedor multimilionário, se definia metas ou não. Disse-me que sim e que de facto, sempre o fizera, mas não como a maioria das pessoas faz.

A definição de metas tradicional encoraja-nos a pensar em grande e a apontar para as estrelas mas também a manter o alvo constante, enquanto fazemos o que é preciso para o atingir.

O meu cliente não fazia nada disso, sentava-se uma ou duas vezes por ano à frente de uma boa refeição e de um bom copo de vinho e perguntava a ele mesmo: ” O que é que seria divertido e excitante fazer na vida no próximo ano ou meses?

Depois, levava o tempo que quisesse a anotar as suas ideias até ter uma lista que o inspirasse completamente. À medida que o ano se desenrolava, verificava periodicamente as suas “metas” e ajustava-as em função do modo como as coisas lhe corriam na vida. Ele disse uma coisa que nunca esqueci:

“O único propósito verdadeiro de uma meta é inspirar-nos  a apaixonarmo-nos mais profundamente pela vida”.

Fonte: Chega aonde quiseres: Michael Neill

Leave a Reply

%d bloggers like this: