É possível Voar.. Obrigada Avós

É possível Voar.. Obrigada Avós

Têm consciência das pessoas que estão próximas que são realmente uma fonte de inspiração…. o tom de voz delas… o toque do seu abraço… o olhar de afecto…

As duas pessoas que mais  me inspiram nas escolhas que faço nos valores que defendo como mulher são os meus avós.

O meu avô um homem reservado, humilde afectuoso, até o último minuto da vida dele nunca teve medo nem vergonha de assumir perante as pessoas que estava próximas dele que as amava.
Herdei dele uma criança e adolescente Reservada, era com ele que eu Pintava, escrevia, lia e na simplicidade do seu colo ria até as lágrimas caírem de forma leve e doce
Foi com ele que comecei os meus primeiros dribles (Basket), tinha uma visão de um autêntico campeão e quando eu errava ele olhava-me fixamente e afirmava:

– Ainda bem que erraste porque tens uma oportunidade de praticar e praticar Porque?
Porque aqui tens de saber as regras do jogo.

A minha avó era uma mulher cheia de energia e garra, não haviam limites entre os obstáculos e as barreiras que vinham até ela.
Um dos seus grandes valores era Partilhar, partilhar sem esperar nada em trocar.
Era uma mulher construtora de princípios de igualdade e cidadania, e no jogo?
No jogo para ela não haviam adversários apenas pessoas com os mesmos objectivos do que ela.
Mas quando falávamos de objectivos ela convictamente afirmava:
– Tens mesmo que te apaixonar pelos teus objectivos, porque se tiveres realmente apaixonada, todas as estratégias vêm directamente do coração.
Numa noite fria de Outono onde todos ainda dormiam…. quando cheguei até perto da minha avó, percebi que ela tinha provocado um encontro com a morte…
Apenas tive tempo de recolhe-la nos meus braços, esboçou o seu último sorriso e verteu a sua última lágrima.
Não queria acreditar no que estava acontecer e não esperava um final tão triste para uma mulher que eu tanto amava.

Durante anos carreguei as costas um peso enorme:

A perda passou a ser um dos meus grandes medos, Culpa vezes sem conta a olhar o vazio do mar questionava-me porque é que não impedi uma morte tão triste, Raiva tinha perdido a mulher que mais contribuiu para quem sou hoje.
Mas nos meus primeiros Dribles aprendi que tinha de olhar olhos nos olhos do meu adversário porquê? Porque ele é só um adversário, então decidi abraçar o medo a culpa e a raiva.
Na vida nós enfrentamos muitos adversários… muitos desafios alguns fáceis de ultrapassar noutros o cesto (basket) parece estar bem longe a bola tem o dobro do peso, ai somos confrontamos com várias emoções: O medo, insegurança, ansiedade.. e ai surge a Pergunta:
E se eu Cair?

Mas Ele (o meu avó) fez-me acreditar que …

É Possível Voar…

Obrigada Avós!!!

(Discurso de competição Toastmasters)

Leave a Reply

%d bloggers like this: